segunda-feira, 23 de maio de 2016

Reflexão do chão

E a vida continua. E continua o próximo passo, e o próximo, e o próximo. Nada mais além da ignorante e pacífica ordem do dia, após o outro dia. Nada mais me espanta neste mundo, nem no outro. Caminho, já há tempos, com passos largos, com pressa, mas sem saber onde ir. Onde mesmo? Onde ir.

quarta-feira, 1 de julho de 2015

De volta, às voltas, em volta!

Ainda assim tenho que continuar a traçar os planos. Ainda assim preciso respirar, comer, dormir. Ainda, assim, ainda sei o que fazer. Não enlouqueci, ainda.

quinta-feira, 7 de agosto de 2014

De volta para o futuro (?)

Chegou o dia, lá, tão distante. Alguns anos à frente, bem lá na frente ou nem tanto.
Só um pouquinho.
E era tudo tão estranho. Alguém já imaginou o acordar, de fechar os olhos algumas horas antes e ao abri-los, muitos sois e muitas noites, semanas, meses, anos.
O Guerreiro estava diferente, envelhecido talvez, mas não aquele envelhecido de velho - foi o tempo que passou. Como?
Sem perguntas. Em sua mente ainda era claro que deveria seguir o Caminho. E assim foi.
Levantou-se. Até uma certa fome já se instalava, afinal havia dormido algumas horas (anos).
Vou seguir por aqui onde estou.

Minha primeira jornada terminou.
Somos um agora.
Dois conhecimentos, duas naturezas, dois distintos seres em um.
Isso é fantástico.
Nossas descobertas, ou melhor, minhas (eu + ele), nossas mesmo (que a partir de agora são minhas, pois sou um), serão descritas assim, da melhor forma possível.

terça-feira, 2 de outubro de 2012

Ichi go ichi e

Um momento, uma vida.
Agora não há mais dualidade. Tudo se funde na mais incontrolável organização da magia cósmica.
Não há tempo para perguntas ou respostas.
O momento é agora.
O espaço de tempo se funde entre passado e presente. E não existe mais tempo.
O que sou é o que é, e essa é a minha reza.
Amém.


quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Agora, somos todos um!

O guerreiro se uniu à mim. E eu me tornei o todo. Agora um se torna dois. E dois, somos todos.
Aqui, o guerreiro começa uma nova jornada.
A cada passo uma nova descoberta.
A cada dia, uma nova sabedoria.
A cada lágrima, um novo aprendizado.
A cada alegria, um novo encontro.

Feliz é o retorno daqueles que partem em paz.

O guerreiro é pacífico. Sua luta é interna.

quinta-feira, 17 de março de 2011

O início do fim

Alguns mestres tentaram persuadir o Guerreiro a ser discípulo. Eles sabiam que era melhor tê-lo assim, subalterno. Ele foi forte. Foi tentado a desistir da busca e ter seu lugar à sombra, descanso merecido. É mais simples servir do que ser.

Mas o Guerreiro quer ser. Ter. Ver. Existir.
Cair. Levantar.Poder recomeçar.

Por conta própria.

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Neutro

A energia cintilava no ar rarefeito que aquela subida podia proporcionar. Era íngreme, a ponto de tantos pesares, que muitos já haviam desistido. A respiração estava descompassada, seca. A água já não hidratava mais. Sem sentir dor ou pena, ou sentimentos contrários à sua jornada, o Guerreira caminhava, passo após outro, e outro também.
No cume alto da montanha podia ver, radiante, a felicidade da chegada. Ainda estava longe, mas já visualizava ele mesmo lá, antes de chegar. Sabia que estaria em paz num certo momento do futuro. Sem precisar o quanto ainda caminharia, o quanto ainda se esforçaria naquela subida mais áspera que suas dores poderiam suportar, continuaria sempre.
Pois sabia que já estava lá, em paz. Pois a paz estava dentro dele.